Comparison between Light and Diet Food in Relation to Conventional Food Through the Analyze of Labels
Journal of Food and Nutrition Sciences
Volume 2, Issue 4, July 2014, Pages: 156-161
Received: Jun. 15, 2014; Accepted: Jul. 9, 2014; Published: Jul. 20, 2014
Views 3196      Downloads 209
Authors
Margarete Frutuoso Antunes, Nutrition Course, Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, Mogi Guaçu, Brazil
Daniela Soares de Oliveira, Nutrition Course, Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, Mogi Guaçu, Brazil
Rafael Resende Maldonado, Nutrition Course, Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, Mogi Guaçu, Brazil; Food Department, Technical College of Campinas, University of Campinas, Campinas, Brazil
Article Tools
Follow on us
Abstract
The aim of this work was to analyze light and diet food and to compare them with conventional version identifying compliance with the recommendations set by the Brazilian law. Seventy light and diet food were selected. The variation of the amount of nutrients compared to conventional version was calculated. The products were divided into 6 categories (dairy, beverage, starch, sweet, sauce and meat) to systematize the evaluation. The quantity of energy, carbohydrate, sugar, protein, total fat, sodium, fiber and calcium were evaluated according to Brazilian law. Most of products evaluated were in accordance with the law. Only 12.8% of the products had some problems with the legislation. Some products presented harmful changes for the consumers, such as increased levels of sodium (53%) and protein (60%), and reduced fiber content in 70% of cases. On the other hand, some products presented beneficial changes, such as increase of calcium (55%). Furthermore, 51% of products had a reduction in calorie above 25% in relation of conventional food (minimum required for light products according to Brazilian law). In relation to total fat, this number increased to 70%. Most of light and diet products were in accordance with the Brazilian law, with reduction of carbohydrates, fats and calories, but there is still a percentage of irregular products with increased in protein and sodium, and reduced in fiber which it may be harmful to the consumer.
Keywords
Light Food, Diet Food, Labeling, Health
To cite this article
Margarete Frutuoso Antunes, Daniela Soares de Oliveira, Rafael Resende Maldonado, Comparison between Light and Diet Food in Relation to Conventional Food Through the Analyze of Labels, Journal of Food and Nutrition Sciences. Vol. 2, No. 4, 2014, pp. 156-161. doi: 10.11648/j.jfns.20140204.19
References
[1]
D. C. Malta, A.S. Cezário, O.L. Morais Neto, and J.B. Silva Jr. “A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde”. Epidemiol Serv Saúde.vol.15, n. 3, pp.47-65, 2006.
[2]
L. Cordian, S.B. Eaton, A.Sebastian, N.Mann, S.Lindeberg, B.A. Watkins, J.H. O´Keefe, J.H. Brand-Miller. “Origins and evolution of the Western diet: health implications for the 21st century”. Am. J. Clin. Nutr., vol. 81, n. 2, pp. 341-354, 2005.
[3]
L.M.A. Diaz “Validação de um instrumento de avaliação do comportamento de consumidor adulto com sobrepeso/obesidade frente às informações nutricionais dos rótulos dos alimentos. Monographic. University of Brasília, Brasília, Brazil, 2006.
[4]
M.M. Ribeiro; et al. “Estudo de mercado de iogurte da cidade de Belo Horizonte” Rev Ceres, vol.57, n.2, pp.151, 2010.
[5]
E.A.F. Nilson, P.C. Jaime, D.O.Resende “Iniciativas desenvolvidas no Brasil para a redução do teor de sódio em alimentos processados” Revista Panamericana Salud Publica, vol.34, n.4, pp.287-292, 2012.
[6]
Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. “Rotulagem Nutricional Obrigatória: Manual de Orientação aos Cosnumidores” Brasília, 2001.
[7]
A.J. Paiva, and P. Henrique. “Adequação da Rotulagem de Alimentos Diet e Light ante a Legislação Específica.” Rev Baiana Saúde Publ., 2005.
[8]
S.S. MACHADO et al. “Comportamento dos consumidores com relação à leitura de rótulos de produtos alimentícios.” Alimentos e Nutrição, v.17,n.1,pp.97-103,2006.
[9]
C.R. Aquino, and T.S. PHILIPPI. “Consumo Infantil de alimentos Industrializados e Renda Familiar na Cidade de São Paulo”. Rev de Saúde Públ., v.36, n.6, pp.655, 2002.
[10]
D. GONZÁLEZ-CASTELL, et al. “Alimentos Industrializados em la Dieta de los pré-escolares mexicanos.” Saúde Pública de México, v.49, n.5, pp.346, 2007.
[11]
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVIAS. “Rotulagem nutricional obrigatória: Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável.” Brasília, 2008.
[12]
M.M. Braga, E.S. Abreu, and D.M. Chaud “Avaliação dos rótulos de alimentos diet e light comercializados em um empório da cidade de São Paulo (SP)”. Revista Simbio-Logias, vol.4, n.6,2011.
[13]
P.P.C. Garcia, and L.P.S. Carvalho “Análise da rotulagem nutricional de alimentos diet e light”. Ensaios e Ciência. Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde”, vol.15, n.4, 2011.
[14]
M.C.C. Câmara, C.L.C., Marinho, and M.C.R. Guiliam “Análise crítica da rotulagem de alimentos diet e light no Brasil” Caderno Saúde Coletiva, vol. 16, n.1, pp.35 – 52, 2008.
[15]
S.M.L. Freitas “Alimentos com alegação Diet ou Light: Definições, Legislação e Implicações no Consumo”. 1st. ed. São Paulo: Editora Atheneu,2005.140 p.
[16]
C.C. Meira et al. “Estado nutricional e consumo de alimentos diet e light entre adolescentes de escola privada do município de João Pessoa –PB” Ensaios e Ciência: C. Biológicas, Agrárias e da Saúde, vol. 14,n 1,pp.65-81,2010.
[17]
C.C. Santos et al. “Avaliação do Conhecimento da População em relação aos Alimentos Diet e Light”. Revista Nutrire, vol. 38, pp. 80, 2013.
[18]
T.R. Laurindo, R.R. Maldonado, and D. Oliveira “Percepção da população da Região de Mogi Guaçu sobre conceitos básicos relacionados a alimentos diet e light”. In: XII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS (CBCTA), 2012, Campinas/SP, Brazil.
[19]
B.R. Marins, I.S. Araújo, and S.C. Jacob “A propaganda de alimentos: orientação, ou apenas estímulo ao consumo?” Ciência & Saúde Coletiva, vol.16, n.9, pp.3873-3882, 2011.
[20]
E.Z.Giacoboo, T. Graff, and S.M.D. Bosco “ Nível de conhecimento sobre rotulagem de alimentos por consumidores do Município de Doutor Ricardo/RS” Revista Destaques Acadêmicos, vol.1, n.3, 2009.
[21]
R.N.G. Montilla, J.M.Aldrighi, and M.F.N. Marucci “Relação cálcio/proteína da dieta de mulheres no climatério” Revista da Associação Médica Brasileira, vol.50, n.1, pp. 54-54, 2004.
[22]
T.A.A. Silvia et al. “ Sarcopenia Associada ao Envelhecimento: Aspectos Etiológicos e Opções Terapêuticas” Revista Brasileira Reumatologia, vol.46, n.6, pp. 391-397, 2006.
[23]
C.F. Sampaio, and M.V.C. Guedes “Processo de enfermagem como estratégia no desenvolvimento de competência para autocuidado” Acta Paul Enferm., vol. 25, pp.96-103, 2012.
[24]
M.C.B. Molina et al. “Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana”. Revista Saúde Pública, vol.37, n.6, pp.743-750, 2003.
[25]
G.S. Mira, H.Graft, L.M.B. Cândido “Visão retrospectiva em fibras alimentares com ênfase em beta-glucanas no tratamento do diabetes”. Braz. J. of Pharm. Sci., vol.45, n.1, 2009.
ADDRESS
Science Publishing Group
1 Rockefeller Plaza,
10th and 11th Floors,
New York, NY 10020
U.S.A.
Tel: (001)347-983-5186